Postagem em destaque

Brasil da baderna: Papai Noel é apredrejado por adolescentes insatisfeitoscom os presentes

Um Papai Noel foi apedrejado por crianças depois que as guloseimas que distribuía em um trenó acabaram, no último domingo, 10, num bairro ...

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Adiar votação evitou 'judicialização' do Orçamento, diz líder do governo

 Líderes decidiram deixar para 5 de fevereiro votação da lei orçamentária. 'Judicializar o Orçamento é tudo o que o país não precisa', disse Chinaglia.

Envolvido nas articulações que adiaram para 5 de fevereiro a votação do Orçamento de 2013, o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse ao G1 que a decisão foi tomada para evitar que o impasse acabasse no Judiciário.
Segundo Chinaglia, “havia total divergência” entre integrantes da base governista e do próprio Palácio do Planalto em relação à proposta de a Comissão Representativa do Congresso votar ainda neste ano a proposta de lei orçamentária – a comissão reúne um grupo de parlamentares que se mantém de "plantão" durante o recesso legislativo para eventual votação de matérias "urgentes".
“Judicializar o Orçamento é tudo que o país não precisa. Com a convicção de que o Brasil não pode brincar com a economia, analisamos quais seriam as variáveis viáveis. Todos os caminhos eram tortuosos”, afirmouo líder do governo.
Líderes da oposição e até mesmo a vice-presidente da Câmara, Rose de Freitas (PMDB-ES), que integra a base governista, criticaram a proposta de convocar a Comissão Representativa. Parlamentares oposicionistas ameaçavam questionar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a constitucionalidade de uma eventual decisão de votar o Orçamento por meio da comissão.
Os parlamentares saíram de férias sem votar o Orçamento em razão de divergências em torno de uma liminar concedida pelo ministro do STF Luiz Fux que proibia a análise do veto da presidente Dilma Rousseff ao artigo 3º da Lei dos Royalties antes que fossem apreciados os mais de 3 mil vetos pendentes na fila de votações do Congresso. Os dirigentes do Congresso entenderam inicialmente que a restrição de Fux impedia votações de outras matérias, entre as quais o Orçamento. Fux depois esclareceu que só valia para os vetos.

Ex-presidente da Câmara, Chinaglia relatou ter se esforçado para manter o governo distante das negociações sobre a votação da peça orçamentária. De acordo com o deputado, o objetivo era evitar que fosse atribuída ao governo federal uma eventual derrota.
“Sempre deixei a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) ciente de que devíamos deixar o governo o mais longe possível do tema. Seria fácil dizer depois que o governo ganhou, perdeu, recuou”, contou Chinaglia.
Costurado por Chinaglia e Jucá, o acordo que postergou para o início de fevereiro a votação do Orçamento foi fechado nesta quarta. Os dois parlamentares obtiveram, inclusive, a chancela de líderes da oposição para analisar a proposta depois do recesso legislativo.
O líder do PSDB no Senado, o oposicionista Álvaro Dias (PR), disse que concordou com a votação do Orçamento em fevereiro. “Eu fui consultado e concordei. A votação pela Comissão Representativa criaria um precedente desinteressante. Aceitar seria permitir um precedente desnecessário que depõe contra o Congresso”, afirmou.

Fonte: Portal G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.